quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Laringe, o canto vem da garganta.

Muito se diz que “não se deve cantar com a garganta”, mas essa é uma imagem que não faz o menor sentido, pois a voz é produzida nela. É no pescoço que está a nossa laringe, e nela as pregas vocais.
O que deveria ser dito é que não é saudável haver constrição desnecessária na garganta, ela não deve ser espremida, apertada, puxada, entortada, etc., além do desejado, mas todo o canto sairá de lá, portanto, é inconcebível que o cantor não tenha qualquer sensação de que ela está trabalhando. O que pode, e deve acontecer é cantar com extremo conforto, e muitas vezes se sente que a laringe é apenas um tubo por onde o ar passa, mas não é bem isso que ocorre, e é o que vamos começar a ver neste e nas próximas postagens do blog.
"Mas, o que é a laringe?"

A laringe é um tubo que está entre a base da língua e a traqueia, e é formada por ligamentos, um osso, cartilagens e músculos e recoberta por uma membrana mucosa. As dobras musculares dentro da laringe formam as pregas vocais (chamadas erroneamente de cordas vocais) e as pregas vestibulares, também conhecidas como falsas pregas vocais (elas serão abordadas em breve).

"A laringe serve para falar?"

A função primária da laringe não é a fala, muito menos o canto, ela está lá para obstruir as vias aéreas inferiores. É o que acontece quando engolimos algo, ou quando fazemos qualquer tipo de esforço físico, como levantar um peso ou mesmo defecar. Nesses casos, a laringe se fecha obstruindo o canal. Produzir som é função secundária, e muitas vezes a primeira interfere na segunda.

É importante conhecer um pouco da anatomia e fisiologia da laringe para compreender como a voz é produzida e como trabalhar para melhorá-la (como mencionado AQUI ). As principais partes da laringe são as cartilagens, que formam sua estrutura sólida e a musculatura intrínseca e extrínseca. 
As cartilagens aritenóides, tireoide (do mesmo nome da glândula, sua ponta forma o pomo de adão) e cricóide formam o arcabouço que sustenta o órgão.

      As cartilagens laríngeas (clique para ver maior)

2 comentários:

  1. Guilherme Augusto, sou de Ponta Porã, interior de MS, comecei a desempenhar função de cantor e ministro de louvor na minha Igreja, e estamos muito longe de qualquer estúdio de qualidade ou professor de canto, e, ainda, com várias pessoas querendo aprender a arte, das quais sou uma delas. Gostaria de um dia tornar-me professor de canto, e poder repassar o conhecimento, assim como o sr. o faz, caro Mauro Andrea. Obrigado pelo conhecimento!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Guilherme, muito obrigado pelo comentário.

      Aqui no blog eu sempre cito fontes, livros e autores.
      Recomendo que além de ler aqui no blog você vá atrás dessas fontes, pesquise a fundo, entenda cada vez mais, questione cada vez mais e esteja sempre aberto à novas informações e descobertas.

      Vivemos um momento de grande avanço na ciência vocal, e o papel do professor é estar atento à esse cenário para poder cada vez mais ajudar os alunos e desmistificar nossa arte, tornando ela acessível a todos.

      Boa sorte com o canto, e qualquer dúvida é só perguntar.

      Abs!!

      Excluir