sexta-feira, 8 de maio de 2015

Cante com a voz natural

Este é provavelmente o maior mal-entendido da história do canto, a tal da “voz natural”.

Muita gente vai discordar, por estar enraizadas no subconsciente coletivo, mas "voz livre" é diferente de "voz natural"

“Como assim?”

Vamos do começo...
Seria assim o canto natural?

Não possuímos um órgão especializado em voz, muito menos em canto. Temos um órgão para digestão de alimentos, uma para circulação do sangue, um para efetuar trocas gasosas, etc., mas não um para cantar.

“E a laringe? Você disse em outro texto que a voz é produzida nela” (clique aqui para conferir o Canto da Garganta)

A laringe tem funções primárias, como a proteção das vias aéreas (impedir que corpos estranhos cheguem aos pulmões) e funciona como uma válvula de pressão, gerando tosse, ou facilitando esforço físico, como quando o ser humano carrega pesos, defeca, pari etc.. Do ponto de vista da sobrevivência, a fonação não tem importância nenhuma perto dessas outras atividades.
Somente após as funções vitais, a laringe é responsável por gerar nossos sons. E muitas dessas funções podem até nos complicar durante o canto, como a deglutição, que eleva e estrangula a laringe para evitar que alimentos entrem no tubo respiratório.

“Então ela é nosso órgão responsável pelo canto?” 

Não exatamente, a laringe depende do sistema respiratório para vibrar, e depende de partes do sistema digestivo (toda a parte de mastigação, por exemplo) para transformar o “buzz” laríngeo em sons compreendidos como linguagem, e ainda da audição para regular tudo o que está acontecendo. Resumindo, a fonação é um sistema adaptado que utiliza estruturas espalhadas pelo corpo para funcionar. Pregas vocais sozinhas não fazem coisa alguma.
Mas o ser humano se adapta e sofre esse tipo de transformação, faz parte da espécie, e temos sorte por isso, então falar se tornou natural ao longo dos milênios.

“Então canto é natural?”

Depende do canto e do cantor.

Tornamos a fala algo natural e quase indispensável para o convívio social (muita gente não fala e convive perfeitamente), porém, o canto vai muito, mas muito além da fala em termos físicos.
Na fala temos variação de tons, de intensidade, fraseados, efeitos como as distorções, e etc., porém, em um nível de atividade absurdamente inferior ao utilizado no canto.

Mas como disse, depende do canto e do cantor. Alguns estilos ou músicas têm exigências físicas menores que os outros, e esses podem facilmente ser cantados "naturalmente" sem muito malabarismo, bem como alguns cantores estão mais desenvolvidos que outros e possuem "níveis de naturalidade" mais avançados.

Responda mentalmente as seguintes questões:
Alguém que nunca cantou na vida e resolve começar do zero, qual o grau de familiaridade que essa pessoa tem com ajustes complexos da voz cantada? Isso a tornará menos apta a cantar? Você acha que o estágio inicial impedirá seu desenvolvimento?
Imagine uma pessoa que é muito agitada, ansiosa. Essas pessoas, segundo diversos estudos, possuem vozes mais agudizadas e tensas. Como será a voz dela quando começar a cantar? E se ela quiser cantar coisas na linha do Elvis?
E o contrário, pessoas mais introspectivas, como soará a voz delas no canto em uma primeira vez? Jamais poderão cantar punk rock?

Agora você começou a entender. A voz dessas pessoas, no começo pode ser limitada, e é a "voz natural" delas naquele momento, mas não necessariamente é uma voz adequada ao estilo musical que elas querem cantar.

“Ah, então cada um tem um estilo de música que pode cantar?”

Por favor, não vá pra esse lado. Volte pra cá.

Se a voz de uma pessoa é limitada em extensão, timbres, é fraca demais, forte demais, anasalada demais, “pra dentro”, etc., o que essa pessoa tem que fazer NÂO é buscar estilos que soem como a voz dela, mas treinar para deixar a voz adequada aos estilos que gosta, e isso requer um processo de treinamento nada natural, algo como um treino de academia. Você pode se fortalecer em atividades cotidianas "naturais" ou passar por treinamentos direcionados. Qual dará mais resultado?

“Então todo mundo que fala pra deixar a voz sair naturalmente está errado?”

Não, mas é preciso perceber o que está por trás da instrução. Provavelmente o que eles querem é estimular o aluno a cantar sem constrição desnecessária, com liberdade de movimentos. É isso que nós mais queremos, liberdade de movimentos, o que é conseguido com muita labuta, se você está longe desse estágio, como aquele treinamento de academia mencionado.
Daí vem a importância de entender a diferença entre "voz livre" e "natural". A "voz livre" pode tudo, consegue transitar entre os mais variados timbres e alturas e tem vasto potencial de aprimoramento, já a "voz natural" é aquilo que ela já é, se ela consegue fazer muita coisa, ótimo, se não... Como vai melhorar fazendo apenas o que já sabe?

"Voz limitada" também não quer dizer "voz incapaz de cantar", tampouco "voz ruim", incontáveis cantores são ricos e famosos com vozes limitadas, alguns inclusive são ótimos no que fazem, ou seja, também não é sinônimo de "voz fadada ao fracasso". E tem mais, nem sempre o desejado é uma voz que soe "natural", muitos cantores de sucesso tem vozes que podem ser consideradas bastante "esquisitas", estamos falando de música não-clássica aqui, mas não quero entrar no mérito de - sucessoXqualidadeXestética - agora.

O processo de treino e desenvolvimento no canto é “artificial” em muitos momentos, exige criar comportamentos diferentes e reprogramar cérebro e corpo, da mesma forma como alguém que faz salto com vara, desenha, é cirurgião, nada, corre, dança, etc., todos eles querem liberdade de movimento quando estão exercitando suas funções, mas quantos nadadores bons você conhece que não treinam e não fazem movimentos complexos?

"Deixe a voz sair naturalmente" para um cantor completamente cru, ou com muitos vícios, dificilmente vai ajudar em algo, é preciso aprender a "deixar sair" primeiro.
“Então a voz não tem que ser natural?” 

Tem

“Você está se contradizendo” 

Calma, há uma diferença entre começo, meio e fim.

Falei em processo de desenvolvimento, não em resultado final.
O treino para qualquer uma das atividades citadas acima depende de perceber, entender, controlar e habituar o corpo a determinados tipos de movimentos que não são "naturais", no sentido de não estarem já prontos e desenvolvidos, mas que se tornarão com a prática, como tudo na vida, seja dirigir, cozinhar, jogar video game, andar (ou você nasceu andando?), e até... cantar.

Um desenhista, e eu brinco disso às vezes, tem que ter um traço firme e preciso e pra isso, ele treina linhas, curvas e o controle do traço, pra quando for desenhar conseguir essas qualidades, e elas só aparecem quando se elimina a tensão no braço e mão (movimento livre). O mesmo para um cirurgião que tem um cérebro pra operar, ou um saltador que precisa passar as alturas em uma competição, o corpo no ar flui, mas imagine quanto treino antes disso.

Vamos pensar agora só no canto. É muito comum ouvir que cantor X soa com uma naturalidade incrível, como se não estivesse fazendo nada.
Manuel Garcia II foi um dos maiores professores da canto da história e seus alunos fizeram enorme sucesso na época. Em seu método, lançado em 1841, ele descreve 314 exercícios que eles precisavam dominar (dominar, não simplesmente fazer), antes de querer pegar alguma música.  Isso podia levar de 5 a 10 ANOS, eu disse ANOS. Tudo pro cara ouvir que “não está fazendo nada, canta com uma naturalidade incrível”
Manuel Garcia II, que, além de tudo, criou o primeiro
laringoscópio, com um espelho de dentista
Não estou dizendo que você precisa estudar 10 anos antes de treinar músicas, era outra época, com outros recursos e outras necessidades, uma sociedade completamente diferente, mas dá para você perceber, como essa “voz natural” surge através do trabalho intenso e dedicado.

O problema disso tudo é que muitas pessoas acabam se martirizando por não conseguirem uma "voz natural" que já, de início, soe do jeito que eles querem, sem passar por todas as etapas de aprimoramento antes, e isso causa confusão na cabeça delas e até um certo grau de frustração, pois ouvem tanto falar sobre essa "naturalidade" que o bom cantor tem, que ela volta pra outra lenda, a do "só canta quem tem talento". Constantemente recebo alunos em meu estúdio questionando esses mitos, o que motivou esta reflexão que está lendo.

Óbvio que cada um se comunica e fala sobre voz de um jeito, mas é preciso tomar cuidado para não bagunçar a cabeça de quem está apenas buscando informações para atingir seus objetivos, muitos desistem por não saberem que o resultado aparecerá gradualmente.

Muito cuidado com o senso comum (e a internet é um grande propagador dele), dificilmente você terá “voz natural” com muitas possibilidades sem muito suor por trás. Há "voz natural" limitada em alguma região e em alguns ajustes inicialmente, porém, depois de muito trabalho focado, muita consciência para eliminar tensões indesejadas, muito desenvolvimento de novos hábitos e memórias musculares, muita propriocepção, muitos erros e acertos, isso vai se expandir e aí sim, eu vou dizer, depois que estiver pronto: “Deixe a voz natural”.

Moral da história: "Voz natural" não é a que você deixa sair e pronto, é a que você treinou tanto, que nem pensa mais pra fazer, e ela é incrível!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário