terça-feira, 11 de maio de 2021

Vocalizes – Você deve usar?

Já há algum tempo há uma falsa polêmica alimentada por muito marketing e uma vontade de se destacar entre aqueles que trabalham com voz que é: vocalizes vão melhorar a sua voz e fazer você cantar?

OK, todo mundo tem direito a divulgar seu trabalho como achar melhor e buscar se destacar no mercado, mas que tal fazer isso respeitando os diferentes pontos de vista e sem apelar para essas falsas polêmicas? Podemos divulgar nosso conteúdo ao invés de vender embalgens brilhantes. 

- Ta, mas por que falsa polêmica? - 

Bem, só há polêmica real se existem diferentes pontos de vista com argumentos reais, certo? Nesse caso não há e a resposta é clara, vocalizes não vão fazer você cantar. Um vocalize por si só não tem qualquer efeito na sua voz não é uma fórmula mágica ou uma receita de bolo a ser seguida. 

 - Eu sabia, então não servem para nada e não vou mais fazer vocalizes -  

Não, muito pelo contrário, você deve e será muito beneficiado se utilizar vocalizes. Entretanto, os vocalizes não terão nenhum efeito, ou terão efeito muito reduzido, se não forem desenhados para a sua voz especificamente e se não forem feitos com objetivos e estratégias muito específicas e, principalmente, da forma correta. Isso quer dizer que o vocalize precisa ser direcionado e criado para para o seu momento e objetivo definido e que sua execução precisa ser atentamente guiada, seja por um professor de canto capaz ou seja por você mesmo no seu treino diário.


- Tá, mas o que são vocalizes, então? -  

Vocalizes são ferramentas para trabalhar a voz. Não existe uma definição consensual sobre eles, alguns definem como treino de melodia somente em vogais, outros vão dizer que podem ser uma, duas ou várias notas sem texto e por aí vai. 

Na minha visão (eu, Mauro, pessoa física CPF nº....), vocalizes são sons vocais criados para focar a prática em alguma determinada função e estética (que andam sempre juntos, quer você queira, quer não) e/ou para treinar domínio e percepção musical. Para isso, eles podem utilizar uma ou diversas quantidades de notas, ritmos variados, dinâmicas variadas, direção da frase, tipos de fonação determinados, vogais, sílabas ou mesmo frases etc. Essa não é uma definição técnica, apenas um resumo de como vejo a coisa.

 

Cada elemento dos vocalizes terá uma função e essa função pode ser compreendida após muito estudo sobre fisiologia, acústica e aerodinâmica da voz e/ou apenas com um ouvido muito bem treinado e larga experiência no trabalho com o canto, os cantores e suas individualidades. Consequentemente, para entender que vocalize não é uma lista de exercícios, você vai precisar estudar e trabalhar muitos anos como professor de canto para aplica-los da forma devida.

 

Cada vogal é produzida com diferentes níveis de pressão que volta para as pregas vocais, influenciando em sua vibração. Também são produzidas graças a diferentes frequências de ressonância/formantes, que também afetarão essa vibração, o esforço fonatório e o resultado sonoro. Cada consoante será produzida com os articuladores em posições específicas e geram o acúmulo ou não de pressão de formas distintas, afetando o trabalho glótico. A ordem desses fonemas também é importante. A velocidade do vocalize vai influenciar em questões como, por exemplo, o trabalho muscular realizado e o tipo de fibras musculares recrutadas para esse trabalho. Vocalizes podem ser feitos em escalas, glissandos, notas sustentadas etc., e a direção disso, quando houver, vai utilizar diferentes quantidades de ar nos pulmões e facilitar ou dificultar cada atividade, de acordo com o objetivo, além de estimular o uso de diferentes padrões de vibração das pregas vocais.

 

Esses são alguns exemplos para que você possa entender a complexidade por trás de um “simples mamama arpejado”. A escolha entre um vocalize com “mamama” que sobe e outro com “momama” que desce, ou outro apenas sustentando uma consoante bilabial, ou utilizando “pa” em andamento acelerado, com saltos de oitava ou em grau conjunto, ou fazendo “dra” ao invés de “xu” etc. deve ser feita a partir da necessidade de cada cantor e da resposta que cada um dá a cada estímulo e, para isso, um sistema de avaliação e correção constante é necessário por parte de quem aplica e de quem executa. Essas escolhas também serão feitas de formas distintas para um cantor iniciante, que não tem propriocepção desenvolvida, e para um avançado, que já sabe entender o que acontece em seu instrumento.

 - "Mas eu prefiro realizar exercícios de função vocal ou exercícios isométricos e isotônicos com contrações concêntricas e excêntricas dos músculos adutores, abdutores e tensores intrínsecos da laringe" - Uau, que nome longo para vocalizes...

E eu nem mencionei o uso de ferramentas e estratégias acessórias, como fazer com a língua para fora, com escape de ar nasal, elevando a cabeça, girando os ombros, criando resistência extra com canudos, mão, dedo, etc.. Também não falei dos objetivos além-voz dos vocalizes, como, por exemplo, treinar melismas em pentatônicas, quando se foca em um determinado estilo e se busca criar uma familiaridade com o mesmo. Trabalhar a precisão da afinação, a musicalidade, a qualidade e fluidez do fraseado, o uso do corpo no canto, o autoconhecimento vocal a exploração da própria voz, a interpretação e por aí vai. As possibilidades são infinitas.

 

Há todo um conhecimento e um raciocínio lógico necessários para se criar e utilizar vocalizes de forma personalizada e adequada e o objetivo disso é trabalhar a voz do cantor criando nele resposta neuro-motora e e desenvolvendo a capacidade de perceber e conhecer sua própria voz, reduzindo o número de informações nas quais ele precisa se concentrar. Treinar a voz apenas com música, por exemplo, é possível também, mas a dificuldade e o tempo para o aprendizado serão, provavelmente, muito maiores. Atividades mais complexas tendem a gerar maior tensão, até mesmo muscular, e não é isso o que queremos ao treinar qualquer coisa, certo?


Pense nos vocalizes como os treinos específicos de um atleta, antes de sair jogando ele aprende todos os movimentos, todos os fundamentos, trabalha jogadas ensaiadas, faz treinos em campo reduzido, faz musculação e depois aplica esse conhecimento/comportamento criado no jogo. É a mesma coisa.

 

Vocalizes têm funções muito específicas e fazem parte de um processo de construção muito amplo, mas que para entender essa complexidade é preciso estudar e praticar a arte de ensinar alguém a cantar por um bom tempo. Não tenha pressa e lembre-se que vocalize não é “apenas lalala, mamama, mimimi sem motivo”, e se ele não funciona é porque foi mal construído ou porque aquele cantor, naquele momento, não pode fazer o que você espera que ele faça. Essa é a hora que o professor de canto e o fono que dá aula de canto precisam escolher outra abordagem que funcione para o propósito específico ou utilizar estratégias facilitadoras.

Portanto, use e abuse de vocalizes, mas saiba o que está fazendo, como está fazendo e sinta como eles funcionam em você, só reproduzir não vai te ajudar muito.

Mauro Fiuza

segunda-feira, 12 de abril de 2021

Aula de canto em tempos de Covid - Um estudo sobre os "protocolos de segurança" para cantar durante a pandemia

Alerta de Spoiler: Os protocolos de segurança não são efetivos para cantar e dar aula de canto.

Se você acha que tá tudo bem cantar e dar aulas de canto presencialmente desde que use acrílico, máscaras, face shield e distâncias de segurança, esse artigo vai mostrar que essas medidas não funcionam para impedir o contágio.


Olá! Aqui é Ian Gonçalves e eu vim falar sobre cantar em tempos de Covid.
Nesse momento complicadíssimo devido à pandemia do Corona Vírus, milhares de pesquisas são feitas diariamente, abrangendo infinitas áreas relacionadas ao tema. É claro que a vez dos cantores uma hora chegaria e esse tema seria estudado. Nesta semana, dia 11 de Abril de 2021, foi finalmente publicada a versão final de um artigo, no Journal of Voice, que estudou exatamente uma das coisas que nós mais precisávamos saber: Como os protocolos de segurança (distância, máscaras, acrílico e face shield) iriam atuar com cantores.

O artigo se chama Sources of Aerosol Dispersion During Singing and Potential Safety Procedures for Singers e está disponível no site do Journal of Voice. Ele investigou as fontes de dispersão de partículas durante o canto seguindo os protocolos de segurança.

(Imagem de um cantor puxando ar para cantar)


Em respeito à pandemia do Corona Vírus, cantar em conjunto foi visto como uma atividade com altíssimo potencial de transmissão do vírus. Apesar disso, ainda não tínhamos algum estudo detalhado sobre isso para que seja visto exatamente o que acontece com os aerossóis durante um canto seguindo os protocolos de segurança.

Como esse estudo foi feito? 

Cantores de um coro profissional de Baviera inalaram uma substância de cigarro eletrônico para que, ao cantar, a trajetória das partículas pudesse ser rastreada. Os cantores cantaram em diferentes posições de cabeça, com diferentes textos e articulação, usaram máscaras diferentes, face shield e acrílico.

Esse estudo foi de extrema importância pois, apesar de severas recomendações de pesquisadores desde o início da pandemia, a migração para aula de canto online não foi tão respeitada assim.

Esse estudo saiu essa semana, mas não estivemos mal informados. Foi dito em Julho de 2020, pela NATS, “There is no safe way for singers to rehearse together until there is a COVID-19 vaccine and a 95% effective treatment in place.”.

Foi alertado também pelo CDC - Centers for Disease Control and Prevention: "Singers Could Be Virus Super-Spreaders".

Além disso, versões preliminares desse estudo que estamos vendo hoje já estavam disponíveis desde o ano passado.

Mesmo assim, sabemos o quanto os professores de canto foram pressionados por diversas escolas no Brasil para se arriscassem dando aulas presenciais, mesmo em meio a um número que indicava milhares de novas mortes por dia, em eterna crescente (tudo isso sem um aumento nos pagamentos, sem seguro de vida, sem transporte privado bancado pelas empresas responsáveis pra proteger seus funcionários e suas famílias). A situação dos professores de canto já não era fácil antes da pandemia, pois é uma profissão sucateada pela maioria das escolas, que não pagam nem o transporte e nem o almoço para o professor. 

A situação dos professores de canto já não era fácil antes da pandemia, pois é uma profissão sucateada pela maioria das escolas, que não pagam nem o transporte e nem o almoço para o professor. Após a pandemia a situação continuou a mesma, só que agora com riscos de morte, hehe. Quantas vezes não me perguntei se realmente valia a pena arriscar a mim e a minha família pra ganhar, por aula, menos que um lanche do Subway enquanto o aluno deixava fortunas para a escola, que arriscava minha vida como se ela fosse algo pouco significante. Principalmente após ver relatos de amigos próximos que, após contraírem a doença dando aulas nessas escolas, tiveram que continuar dando aulas mesmo assim (online) para receber algum valor no fim do mês (pois elas, as escolas, não iriam paga-los caso ficassem em repouso se recuperando da doença - que foi contraída provavelmente por culpa da própria escola).

Depoimento anônimo de uma professora que dá aula numa rede famosa de escola de música:

"Me pediram pra dar aulas presenciais durante a pandemia, com as tais "medidas de segurança". Eu tive o Coronavírus mesmo assim e, mesmo com atestado, eu dei as aulas online pela escola. Caso eu não desse as aulas, eu não receberia. Mesmo com atestado médico, só recebemos por aula dada. Hoje, com onda roxa na cidade, alguns alunos decidiram não ter aula online. O número de alunos reduziu cerca de 50% e eu só recebo pelos alunos que decidirem fazer aula online".

É sempre importante comentar sobre certas injustiças, porém, como o foco do artigo é outro, vamos voltar. hehe

Em 2020 já foi publicado que cantores estavam associados a um alto potencial de transmissão do vírus (Exhaled respiratory particles during singing and talking - 2020). Foi visto também que a emissão das partículas aumentava de acordo com o aumento de volume. Sabemos que cantores possuem, em sua maioria, volumes muito mais altos de voz por conta de níveis muito maiores de pressão subglótica.

Em diversos experimentos foi visto que, mesmo com distâncias de 1.4 metros ou mais, houve uma grande dispersão do vírus em todas as direções. Estudos anteriores mostraram que as máscaras, em situações de fala e conversação, reduziam bastante a emissão de partículas entre indivíduos, apesar de existirem diferentes tipos e categorias de máscaras com diferentes tipos de eficácia. Isso foi suficiente para que cantores se arriscassem cantando usando alguma delas, mesmo com elas prejudicando grandemente o som e sem sabermos se elas são eficazes, de fato.

Lembre: As máscaras são feitas para situações de silêncio. Elas permitem que você responda alguém, em baixo volume, sem espalhar o vírus, mas elas são feitas para o silêncio. Cantar com uma dessas máscaras fica meio óbvio, pra qualquer um que experimentar, que não funciona. Quem já esteve em uma UTI sabe como lá é um local silencioso. 

O teste foi feito com cantores profissionais que exerciam o canto coral em tempo integral. Eles cantaram um trecho da nona sinfonia de L. W. Beethoven. O estúdio usado era ventilado a cada nova etapa para limpar todos os resquícios da etapa anterior. E o que foi visto no experimento?

  • Consoantes e Vogais:
    • Todos os participantes tiveram de emitir as consoantes /p/, /t/, /k/, /ʃ/ e em seguida as vogais /a/, /e/, /i/, /o/, /u/.
    • As consoantes surtiram efeitos sobre a dispersão de partículas por conta das suas características plosivas e fricativas.


    • A distância percorrida pelas partículas foi menor durante as consoantes do que com vogais.
    • O tempo 0, no gráfico, representa o momento em que os participantes pararam de fazer sons. 
    • Mesmo após parar de cantar, a nuvem de vapor continuou se distanciando para todos os participantes (isso aconteceu em todas as etapas do processo).
  • Articulação exagerada:
    • Os participantes tiveram então de cantar o trecho da música de três formas: Com articulação super exagerada do texto, depois com articulação "normal" e depois cantar a melodia com uma única vogal, sem consoantes.


    • A distância da nuvem de fumaça foi maior de acordo com a intensidade das consoantes. Exagerar o texto fez com que a fumaça fosse mais longe do que cantar normalmente e também fazer com apenas uma vogal.
    • Foi apontado também que articular o texto fazia a máscara mexer de lugar a cada nova palavra e isso aumentava o escape de partículas.
  • Posição da cabeça:
    • Um dos participantes cantou o trecho da música com diferentes posições e ângulos de cabeça (olhando pra baixo, pra frente e pra cima).


    • Cantar olhando para baixo foi o ângulo que menos dispersou a nuvem de fumaça.
  • Distâncias de "Segurança":
    • A: Eles agora então cantaram a frase “Freude, schöner Götterfunken, Tochter aus Elysium”, da nona sinfonia, um de frente para o outro por 3 minutos, numa distância de 3 metros um do outro (distância muito maior do que muitos lugares usam como protocolo de segurança).
    • B: O mesmo experimento foi feito por 1 minuto e 40 segundos numa distância menor, de 2.6 metros um do outro (ainda maior do que muitas instituições de ensino de música usaram como protocolo de segurança).


    • Neste experimento, em 3 metros de distância, a nuvem não entrou no espaço do outro.
    • Porém, a 2.6m de distância a nuvem de fumaça chegou na boca do outro cantor após 1:30 minutos cantando.


    • Em seguida ambos cantaram simulando as cadeiras de um coro, com 1.5m de distância e uma diferença de 45cm de altura.
    • Essa foto foi tirada após 50 segundos cantando.
    • 13 segundos após parar de cantar, as duas nuvens de fumaça se misturaram uma na outra, envolvendo os dois cantores.
    • O estudo também concluiu e afirmou que o menor impulso de ar já é suficiente para movimentar a nuvem de fumaça de um lugar para o outro, mesmo após ter parado de cantar.
  • Diferentes tipos de máscaras:
    • As máscaras são os itens mais usados durante a pandemia. Elas impedem, em situações normais de fala, as partículas de saliva de se espalharem pelo ar em grandes quantidades. Isso levou muitos cantores e escolas de música a manterem as atividades presenciais, desde que houvesse o uso das máscaras. A máscara cirúrgica foi adotada pela maioria dos cantores por ser a mais confortável e não barrar muito o som. Mas... Será que realmente funciona para contem o vírus?
    • 3 tipos de máscara foram testados: (A) Máscara cirúrgica, (B) FFP2 (semelhante a n95, bico de pato) e (C) uma máscara de pano comum.


    • Apesar de a disseminação da nuvem de fumaça ter sido menor com as máscaras, nenhuma delas impediu que elas fossem espalhadas pela sala.
    • A máscara mais efetiva foi a FFP2, apesar de não ter barrado a fumaça.
    • A máscara cirúrgica teve um desempenho desastroso porque ela tem muito mais frestas que as outras máscaras.
  • Face Shield:
    • Os efeitos do Face Shield também foram investigados

    • O Face Shield bloqueou a nuvem inicialmente, porém, em menos de 4 segundos ela se dispersou por toda a região em volta.
    • O estudo concluiu que máscaras e Face Shields não são suficientes para bloquear a dispersão das partículas contaminadas.
  • Parede de acrílico e parede de partituras:
    • Uma parede de acrílico pode ser uma barreira de proteção, assim como segurar as partituras na frente da face. É muito comum vermos uma nas mesas de restaurantes. Isso também foi investigado.





    • Como todos aqui já estavam imaginando, segurar a partitura na frente da boca não conteve a nuvem de fumaça, nem o acrílico.
    • Apesar disso, o acrílico conseguiu segurar por mais tempo uma maior quantidade. Porém, devido ao alto nível de pressão subglótica e a duração de uma música ser constante, a fumaça acabou se espalhando pelo ambiente.
A conclusão desse estudo é surpreendente, mas não é nenhuma novidade. Desde o início da pandemia foi dito que não existe forma segura de cantar em público antes de haver uma vacina.
As máscaras foram pensadas e criadas para serem efetivas em situações de silêncio e pouca conversa. Usar máscara para cantar é uma ideia completamente fora da realidade. Nem precisa de um estudo científico pra perceber que grande parte do ar sai para fora da máscara com bastante força ao (tentar) cantar com uma delas.

As paredes de acrílico foram também criticadas por não impedirem a nuvem de se espalhar pela sala, pois ela não cria um ambiente totalmente fechado e o cantor vizinho também receberá a nuvem alheia em questão de poucos minutos.

Porém, agora não temos mais desculpas.

O estudo ressalta que as partículas continuam se movendo pelo ambiente, sendo mais um risco para quem ficar no local. As medidas de segurança são pensadas para situação de não-aglomeração e de silêncio, onde as pessoas passam pelos locais de forma passageira. Não são feitas pra você ficar lá por horas usando seu pulmão ao máximo, hehe. São efetivas para que você entre e saia de um lugar com segurança. Para um professor de canto, que ficará na sala por horas seguidas e atenderá diversos alunos, o risco é gigantesco, pois as partículas de saliva se espalham pela sala ao longo do tempo. Ou seja, não basta só barrar elas de chegar até você. A pessoa que se manter no ambiente por muito tempo também se contaminará. Essa informação sempre foi muito óbvia. NY Times afirmou que as partículas contaminadas se espalham por um ambiente da mesma forma que o cheiro de um bolo no forno se espalha pela casa. Saber disso e, mesmo assim, arriscar a vida dos professores (obrigando-os a dar aula presencial), dos familiares dos professores, dos alunos e seus familiares, é uma escolha um tanto difícil de reagir sem perder a postura. Ainda mais sabendo o quão sucateada é a profissão de professor de canto no país. 

O que você achou deste experimento?
Você foi pressionado a dar aulas presenciais em alguma escola, mesmo em meio à uma trágica situação onde morrem mais de 4 mil pessoas por dia?

Você pressionou professores de canto a darem aulas presenciais nessa situação?

Você conseguiu se manter online e em segurança no ofício de professor de canto?

Aos alunos e pais de alunos: Não parem as aulas. Não parem com as escolas e nem com os professores particulares. Experimentem as aulas online. Uma aula de qualidade vai ser incrível em qualquer lugar.

Deixe um comentário contando sua experiência!
Nós, professores de canto (mas também os alunos), precisamos nos manifestar contra as aulas de canto presenciais enquanto não tivermos alguma vacina disponível. 

Este estudo precisa chegar ao maior número possível de pessoas, principalmente professores e alunos, pois sem uma união entre essas duas partes, dificilmente as aulas presenciais serão interrompidas.

Importante: No curso de Pedagogia e Ciência Vocal, do Mauro Fiuza, tem um módulo com algumas aulas dedicadas apenas ao ensino de aula online.

Meu instagram: @IanGGoncalves
Meu email: ian.voz@icloud.com

Estúdio de Voz - Professor Mauro Fiuza

terça-feira, 9 de fevereiro de 2021

Formação em Pedagogia e Ciência Vocal - Vocologia Prática - Turma 3/2021

AS INSCRIÇÕES PARA A NOVA TURMA DO CURSO DE PEDAGOGIA E CIÊNCIA VOCAL - VOCOLOGIA PRÁTICA, ESTÃO ABERTAS 

Olá, aqui é o professor Mauro Fiuza e estou aqui para anunciar a nova turma do meu curso de formação!


A ideia desse curso é unir o que se tem de mais avançado em pesquisas e, principalmente, evidências científicas com diferentes estratégias e abordagens de pedagogia vocal e diminuir o espaço que há entre os estudos e quem está na linha de frente lidando com o cantor. 

Nesse curso você vai aprender não só a prática do canto, mas a prática do ensino do canto em todos os aspectos: como preparar aulas, como lidar com diferentes alunos e as necessidades de cada um, como fazer seu aluno ou cliente entender melhor o que você quer que ele faça, como fazer atendimentos online, e ainda vai aprender a como encontrar evidência científica e informação de qualidade no mar de opiniões nem sempre bem embasadas que é a internet.

O curso é aberto a professores de canto, preparadores vocais, fonoaudiólogos, diretores de voz, regentes coral, otorrinolaringologistas, produtores vocais, cantores e demais interessados a aprender a lidar com cantores.

É um curso de certificação 100% online com 10 meses de duração + 2 anos de accesso ilimitado ao material e atualizações.

Além disso, temos encontros periódicos online, material de estudo e pesquisa e um super grupo de discussão no qual participam grandes profissionais da voz.

Além das minhas aulas tenho a honra de contar com a participação de alguns dos profissionais mais incríveis do país:
- Thays Vaiano - fonoaudióloga, falando sobre programas de condicionamento vocal 
- Filipe Lima - o educador físico, cantor e coach de voz de cantores como Xororó, Sandy, Rafael Bittencourt e muitos outros, falando sobre a integração do trabalho físico, postural e vocal.
 - Luciano Simões-Silva - professor de canto, pós doutor, falando sobre Belting
 - Michael Álex - professor de canto, falando sobre melismas e a voz no Gospel
 - Luísa Francesconi - mezzo-soprano e professora de canto, falando sobre canto lírico 
 - Andressa Marinoni - professora de canto e mestra em fonoaudiologia, falando sobre conjuntos vocais.
 - Luciano Neves - otorrinolaringologista, falando sobre saúde vocal e trabalho multidisciplinar com a voz
 - Leonardo Lopes - fonoaudiólogo, falando sobre as interações entre voz e retorno auditivo-motor
 - Connan Alves - professor de canto, falando sobre a voz no Blues
 - Ana Terra Pompeu - fonoaudióloga, falando sobre a voz rimada dos MC's
 - Gabi Fernandes - cantora e fonoaudióloga, falando sobre a voz na música sertaneja
 - Mirna Abou-Rafée - fonoaudióloga, falando sobre comunicação no trabalho com cantores
 - Paulo Moreno - professor de canto, falando sobre ornamentos vocais
 - Nicolás Hormazábal - professor de canto, falando sobre prátcas para o metal extremo
 - Flávia Caraíbas - fonoaudióloga e professora de canto, falando sobre resitência vocal, voz no axé , anamnese com o cantor 
 - Beatriz Lucci - diretora musical, falando de interpretação de canção
 - Fred Silveira - cantor, falando de canto no teatro musical
 - Monica Marsola - cantora e professora de canto, falando sobre o canto na música brasileira
 - Vera Medina - produtora, cantora e professora de canto, falando sobre produção vocal

Não perca tempo pois as vagas são limitadas!!




O Curso de Formação em Pedagogia e Ciência Vocal – Vocologia Prática – é um curso 100% online e foi desenvolvido pelo professor de canto e pesquisador Mauro Fiuza unindo conhecimentos e experiências na criação de uma formação abrangente e que fosse capaz de ir além de workshops e cursos de curta duração, que tendem a ser mais superficiais em razão do tempo.

Mauro Fiuza é professor de canto e doutorando em Educação pela UNED (Madrid/Espanha) onde também trabalha como assistente de pesquisa no Laboratório de Voz UNEDVoiceLab (www.unedvoicelab.com) com a professora portuguesa Dra. Filipa Lã. É professor convidado do "Specialization Course in Pedagogy and Technology of Voice and Singing" na UNED/Madrid, ao lado de professores como Johan Sundberg, Filipa Lã, Sten Sternström e Brian Gill. É licenciado em música, mestre em fonoaudiologia (PUC/SP). Estudou Ciência da Voz Cantada na Suécia com o Dr. Johan Sundberg; vocalizações supraglóticas na Itália com a professora Eleonora Bruni; é certificado nos 3 níveis do método americano Somatic Voicework TM da professora Jeanie LoVetri; e pós-graduado pelo FIV (CEV – Centro de Estudos de Voz). Atua como professor convidado nos cursos de pós graduação do CEV (CECEV e FIV), Faculdade Santa Marcelina (Pedagogia Vocal) e Faculdade Novo Horizonte (Voz Cantada). Ministrou o curso Ver a Voz em diversos estados do Brasil, é integrante do grupo Vocal SP, membro fundador da PROCANTO (Associação Brasileira de Professores de Canto), coordenador do site do Dia Mundial da Voz (www.world-voice-day.org) e escreve sobre ciência vocal e canto no site www.estudiodevoz.com desde 2012.

Vocologia é o nome que se dá ao grupo de ciências que estuda a voz (laringologia, fonoaudiologia, fisiologia do exercício, acústica, psicoacústica, etc.), solidificando cada vez mais os avanços e investigações nessa área. Esse é um curso voltado a aplicação prática e criação de estratégias pedagógicas dos conceitos estudados na Vocologia e contém mais de 200 exercícios demonstrados e comentados para auxiliar na aprendizagem.

O objetivo do curso é formar cantores, professores de canto, vocal coaches, fonoaudiólogos, preparadores vocais, diretores musicais e demais profissionais da voz com conceitos sólidos e ferramentas práticas para o treino e desenvolvimento vocal baseados em evidência científica, sempre pautados em preceitos éticos e incentivando a autonomia desses profissionais.

Ao longo do curso você irá entrar em contato com diferentes pontos de vista sobre a técnica vocal, compreenderá as teorias, será capaz de reconhecer auditivamente e em software de acústica os tipos de voz, realizará na prática e será capaz de ensinar a terceiros os assuntos trabalhados.

São 10 módulos com conteúdo dividido entre material online pré-gravado, encontros virtuais e grupos de discussão.

O material ficará disponível em uma plataforma do curso pelo prazo de dois anos após o encerramento dos módulos, ou seja, você terá muito tempo para ver e rever o conteúdo e aproveitar as atualizações sem custo extra.

Além disso, são realizadas 2 videoconferências ao vivo por mês, à partir do módulo 1, para esclarecimento de dúvidas, treinos vocais e trocas de experiências entre alunos e professores. Esses vídeos também ficam disponíveis na plataforma para quem perdeu o encontro ou para assistir novamente quantas vezes quiser. 

Em todos os módulos são fornecidos artigos científicos e materiais complementares referentes ao que foi estudado.

Todos os participantes farão parte de um grupo de discussões para aprofundamento dos temas abordados.

O curso tem caráter de formação e certificação de profissionais, portanto, todos os módulos terão avaliação. Além disso, será incentivado que os participantes realizem treinos entre si, o que contribui para o aprendizado e desenvolve as habilidades pedagógicas.

Ao final do curso os participantes farão parte do grupo de professores certificados em Pedagogia e Ciência Vocal – Vocologia Prática, com divulgação na página  https://www.estudiodevoz.com.br/p/formados-em-pcv.html

FORMATO DO CURSO

·       9 módulos online com material pré-gravado + módulo inicial introdutório (módulo 0) + módulo complementar
·       Os módulos 1, 4, 5, 6, 7, 8 e 9 serão lançados mês a mês com vídeos publicados periodicamente
·       2 encontros virtuais por mês de 2h de duração cada para treino e esclarecimento de dúvidas referentes a cada módulo
·       Os módulos 2 e 3 terão 1 mês e meio de duração, com 3 encontros online, para dar mais tempo de absorver o conteúdo, treinar e tirar dúvidas
·       Encontros virtuais serão sempre aos sábados e/ou domingos em horário escolhido por votação entre os alunos do curso


COMO SE INSCREVER? (formas de pagamento e valores)

Opção 1 - para pagamentos à vista e parcelado em até 10 x via depósito ou transferência bancária

1º - Clique neste link e preencha COM ATENÇÃO sua ficha de inscrição: FICHA DE INSRIÇÃO
2º - Aguarde o recebimento do contrato
3º - Envie o contrato e o comprovante de pagamento para o email: 
pedagogiaecienciavocal@gmail.com
4º - Pronto, é só entrar na plataforma utilizando os procedimentos que serão indicados por e-mail e aproveitar o curso.

Valor promocional até o dia 12/07
10 x de R$300,00 ou R$2.850,00 à vista
Valor depois do até o dia 13/07
10 x de R$400,00 ou R$3.850,00 à vista


Opção 2 - para pagamentos à vista e parcelado em até 12 x com cartão de crédito ou boleto (com juros)

1º - Clique neste link, siga os passos indicados: LINK PARA COMPRA DIRETA
2º - Pronto, é só aproveitar o curso

Até o dia 12/07
R3.300,00 à vista ou em até 12x com juros
depois do dia 13/07
R4.400,00 à vista ou em até 12x com juros


INÍCIO DO MÓDULO 1: 06/08 (módulo 0 já disponível)


Último dia para inscrições: 16/08/21


Programação completa do curso:

Módulo 0

·         Introdução e apresentação

·         Programação do curso

·         O que é vocologia?

·         A História da Pedagogia e da Ciência Vocal

·         Pedagogia Vocal Atual

·         Canto amplificado X Canto não amplificado

·         Pedagogia Vocal Baseada em Evidência Científica

·         Interdisciplinaridade no Trabalho com o Cantor

·         Mente: o Trabalho Mental do Cantor

Modulo 1

·         O mínimo de música que você precisa conhecer para trabalhar com construção vocal – introdução

·         O mínimo de música que você precisa conhecer para trabalhar com construção vocal – Prática

·         Relações entre Postura e Voz – Professor convidado: educador físico Filipe Lima

·         Método GDS

·         Exercício proprioceptivo postural

·         Exercício para postura

·         As Estruturas da Laringe

·         Músculos Extrínsecos da Laringe

·         Relaxamento Laríngeo e Pré-aquecimento Vocal – Alongamentos

·         Relaxamento Laríngeo e Pré-Aquecimento Vocal - Massagens Supra-Hióideas

·         Relaxamento Laríngeo e Pré-aquecimento Vocal - Massagens Laríngeas

·         Relaxamento Laríngeo e Pré-Aquecimento Vocal - Massagens Infra-Hióideas

·         Pressão X Fluxo de Ar

·         Respiração - Músculos Inspiratórios

·         Respiração - Músculos Expiratórios

·         A Respiração Aplicada ao Canto

·         Exercícios de Respiração - Mente e foco

·         Exercícios de Respiração - Propriocepção intercostal

·         Exercícios de Respiração - Propriocepção Intercostal/Abdominal

·         Exercícios de Respiração - Controle Intercostal/Abdominal

·         Exercícios de Respiração - Propriocepção Glote/Respiração Parte 2

·         Exercícios de Respiração - Controle de Pressão de Ar com Feedback Visual

·         Exercícios de Respiração - Controle de Pressão de Ar com Feedback Visual

·         Exercícios de Respiração - Introdução ao Método do Acento com uso de Feedback Visual

·         Exercícios de Respiração - O Método do Acento em detalhes

·         Exercícios de Respiração - Incentivadores Respiratórios – Respiron

·         Exercícios de Respiração - Incentivadores Respiratórios – Shaker

·         Exercícios de Respiração - Incentivadores Respiratórios - Uso Adaptado do LaxVox

·         Exercícios de Respiração - Incentivadores Respiratórios - Uso Adaptado do AirFlow Ball

·         Respiração - Considerações Finais

·         Lista de exercícios do Módulo 1

Módulo 2

·         Evidência Científica nos Estudos da Voz

·         Como Encontrar Estudos Publicados

·         Anatomia da Laringe

·         Anatomia da Laringe e introdução à Fisiologia

·         Fisiologia dos Músculos Intrínsecos da Laringe

·         Hirano - The Regulatory Mechanism of the Voice in Singing (Video Completo em Inglês)

·         Os Mecanismos Laríngeos

·         Mecanismo 0

·         Mecanismo 1

·         Mecanismo 2

·         Mecanismo 3

·         Classificação Vocal e Passagens

·         Modos de Fonação

·         Ciclo Glótico - Fases e Período

·         Complementos - Pregas Vocais, Onda Mucosa e Tipos de Fonação

·         Modo Sussurrado - Explicação

·         Modo Sussurrado – Prática

·         Modo Soproso – Explicação

·         Modo Soproso – Prática

·         Modo Fluido – Explicação

·         Modo Fluido – Prática

·         Modo Neutro – Explicação

·         Modo Neutro – Prática

·         Modo Firme/Tenso – Explicação

·         Modo Firme/Tenso – Prática

·         Dinâmicas dos Modos de Fonação

·         Dinâmicas dos Modos de Fonação – Prática

·         Treino Auditivo dos Modos de Fonação

·         Transformando Conceitos em Práticas

·         Lista de Exercícios do Módulo 2

Modulo 3

·         Anatomia e Fisiologia da Audição

·         Processamento Auditivo Central

·         Afinação - Teoria e Prática

·         Os Articuladores

·         Articuladores – Mandíbula

·         Articuladores – Língua

·         Independência articulatória

·         Articuladores - Véu Palatino

·         Articuladores – Laringe

·         Articuladores – Lábios

·         Alfabeto Fonético Internacional – Consoantes

·         Alfabeto Fonético Internacional – Vogais

·         Acústica Vocal - O Som

·         Acústica Vocal – Harmônicos

·         Acústica Vocal – Formantes

·         Acústica Vocal - As Vogais

·         Acústica Vocal - Como Modificar Formantes

·         Acústica Vocal - Trabalhos Específicos com Formantes

·         Acústica Vocal - Relação H1/H2 e Exemplos de Uso do Feedback Visual

·         Acústica Vocal - Sintonização de Formantes e Harmônicos

·         Tutorial e Revisão - Voce Vista Video

·         Tutorial Pink Trombone

·         Prática de Acústica Vocal - Declínio Espectral

·         Prática de Acústica Vocal - Sintonização F/H

·         Lista de Exercícios do Módulo 3

Módulo 4

·         Psicoacústica

·         Fisiologia do Exercício Vocal - Tipos de músculos e de contrações

·         Fisiologia do Exercício Vocal - Tipos de Fibras Musculares

·         Fisiologia do Exercício Vocal - Fibras e Treino Vocal

·         Fisiologia do Exercício Vocal - Tempo de Treino e Repouso

·         Princípios da Fisiologia do Exercício

·         Evolução Neuromuscular com o Treinamento

·         Programa de Condicionamento Vocal - Profa. Convidada: Fga. Dra. Thays Vaiano

·         Exercícios de Função Vocal – Stemple

·         Exercícios de Trato Vocal Semi Ocluído (ETVSO) - Efeito Bernoulli e Inertância Reativa

·         Níveis de impedância dos tipos de ETVSO

·         ETVSO - Introdução ao uso prático

·         ETVSO - Pocket Vox

·         ETVSO - Shaker e exercícios de dupla fonte

·         ETVSO - Exercícios sem Aparelhos

·         ETVSO - Copo, Máscara e Cachimbos

·         ETVSO - Exercícios para "Resetar" a Voz do Titze

·         Ferramentas para articuladores – Palito

·         Ferramentas para articuladores - Rolha de garrafa

·         Ferramentas para articuladores - Mini Rolha

·         Aquecimento Vocal

·         Desaquecimento Vocal

·         Como realizar um treino efetivo

·         Lista de Exercícios do Módulo 4

Módulo 5

·         Evolução da Voz – Infância

·         Evolução da voz – Puberdade

·         Evolução da Voz - Envelhecimento Vocal

·         Ornamentos – Vibrato

·         Ornamentos - Práticas de Vibrato

·         Ornamentos - Trillo/Trinado

·         Ornamentos - Quebra de Mecanismos (Yodell)

·         Ornamentos - Práticas de Quebra de Mecanismos (Yodell)

·         Ornamentos – Apogiatura

·         Ornamentos – Mordente

·         Ornamentos - Grupetto/Turns

·         Ornamentos - Portamento e as notas agudas

·         Melismas - Teoria - Professor Convidado: Michael Álex

·         Melismas - Prática - Professor Convidado: Michael Álex

·         Grupos Vocais - Professora Convidada: Andressa Marinoni

Módulo 6

·         Saúde Vocal - Professor Convidado: Dr. Luciano Neves

·         Investigação Multidisciplinar da Voz - Professor Convidado: Dr. Luciano Neves

·         Ferramentas de Avaliação de Voz – EGG

·         Ferramentas de Avaliação de Voz - Pressão Subglótica

·         Ferramentas de Avaliação de Voz – VPAS

·         Ferramentas de Avaliação de Voz - Voice Range Profile

·         Ferramentas de Avaliação de Voz - Glotograma de Fluxo

·         Aulas Online – Adaptações

·         Aulas Online – Equipamentos

·         Aulas Online - Funções do Zoom

·         O Papel do Professor de Canto na Reabilitação Vocal

·         O Papel do Professor de Canto na Identificação de Problemas Vocais

·         Voz na Garganta e Comunicação com Alunos

Módulo 7

·         Introdução às Distorções Vocais

·         Mitos sobre Distorções Vocais

·         Definição e Conceitos

·         Acústica das Distorções e Feedback Visual no Treinamento

·         Cuidados Durante o Treinamento

·         Manobras para Verificar a Qualidade da Voz Durante o Treino de Distorções

·         Fry Inspiratório

·         Processo Pedagógico das Distorções Vocais

·         Treino de Fonação Glótica X Supra Glótica

·         Evidências Válidas nos Estudos das Distorções Vocais

·         Tipos e Articuladores das Distorções

·         DVI Glótica - "Creaky"

·         DVI Glótica - "Fry Scream"

·         DVI Glótica – Híbrida

·         DVI Vestibular

·         Sobre Estudos em DVIs Vestibulares

·         DVI com Epiglote

·         DVI de Corniculadas

·         DVI com Pregas Ariepiglóticas

·         DVI de Úvula

·         DVI Glótica – Bifonação

·         DVIs Ingressivas

·         Considerações Finais

Módulo 8

·         Retorno Auditivo-Motor da Voz - Professor Convidado: Fgo. Dr. Leonardo Lopes

·         Noções Básicas de Belting - Professor Convidado: Luciano Simões-Silva

·         A Voz no Canto Erudito - Professora Convidada: Luisa Francesconi

·         A Voz no Blues - Professor Convidado: Connan Alves

·         A Voz no Gospel - Professor Convidado: Michael Álex

·         Rock

·         A Voz Rimada dos MC's no Rap e Hip Hop - Professora de convidada: Fonoaudióloga Ana Terra Pompeu

·         Análise de 12 Cantores de Pop

·         Análise de 12 Cantores de Música Brasileira

·         O Canto Sertanejo - Professora Convidada: Gabi Fernandes

Módulo 9

·         Planejamento do Trabalho Vocal

·         Aspectos Vocais de um Trabalho Vocal

·         Aspectos Não-Vocais do Trabalho Vocal

·         Padrões de Comportamento Vocal – Introdução

·         Padrões de Comportamento Vocal - Cantor Preso em M1

·         Padrões de Comportamento Vocal - Cantor Preso em M2

·         Padrões de Comportamento Vocal - Cantor Preso na Voz Falada

·         Do Treino Técnico para o Repertório – Introdução

·         Do Treino Técnico para o Repertório - Passo 01

·         Do Treino Técnico para o Repertório - Passo 02

·         Do Treino Técnico para o Repertório - Passo 03

·         Do Treino Técnico para o Repertório - Passo 04

·         Do Treino Técnico para o Repertório - Passo 05

·         Do Treino Técnico para o Repertório - Passo 06

·         Interpretação e Emoção na Voz

·         Avaliação do desenvolvimento dos Alunos

·         Tipos de Métodos de Canto

·         O Quanto Eu Já Sei?

·         Ética e Profissão

·         Ciência Vocal X Pseudociência Vocal - Como Identificar

·         Avaliação Final do Curso

·         Encerramento e Considerações Finais

Módulo de extras

·         Técnicas De Apresentação – A Comunicação Como Aliada no seu Marketing Pessoal - Professora Convidada: Fga. Mirna Abou Rafée

·         Melismas - Práticas complementares - Professor Convidado: Paulo Moreno

Mais de 200 exercícios práticos ao longo do curso

Encontros Online

Grupos de WhatsApp

Participação ativa dos alunos

Curso em constante atualização

Devolutivas de congressos de voz e canto *LANÇAMENTO*

Desconto de 50% na aquisição do programa VoceVista Video

Desconto para a aquisição do fone de retorno auditivo MindVox

Mentorias em grupo ou individuais *LANÇAMENTO*